Decoração

Entenda o que considerar na iluminação para casa

outubro 11, 2018
Tempo de leitura 7 min

A presença de luz é um fator de extrema importância na decoração do ambiente e contribui para a valorização do espaço, deixando-o mais amplo e aconchegante.

Um bom projeto luminotécnico consiste na reunião de vários fatores, como o tipo e a cor de lâmpada que deve ser usada, o tamanho dos lustres e pendentes, a posição correta das fontes luminosas e muito mais.

Para você entender sobre o assunto e conseguir criar um projeto de iluminação para casa funcional e bonito, acompanhe este artigo!

Quais são os benefícios de um projeto de iluminação?

Um ambiente bem iluminado traz conforto e bem-estar. Espaços escuros podem causar problemas à visão, e nada mais desconfortável que ler um livro e forçar os olhos!

A iluminação bem projetada também ajuda a evidenciar as linhas do design e dos móveis, destacando a beleza arquitetônica.

Outra vantagem muito importante é o benefício econômico. Um projeto feito corretamente visa utilizar lâmpadas eficientes, que esquentem pouco e consumam menos energia. Desse modo, há uma grande economia na conta de luz.

Como conseguir a iluminação ideal?

O primeiro fator a se observar ao projetar a iluminação para casa é verificar a luz natural, pois ela será a principal fonte de luminosidade durante o dia. Já à noite, as luzes artificiais são as que deverão cumprir totalmente a função.

Considerando essas variáveis, o projeto luminotécnico deve ser bem pensado, de modo que a luz atenda à necessidade do ambiente durante os dois turnos.

A maneira como a iluminação é utilizada também é muito importante. A seguir, descubra as diferenças entre as formas direta, indireta e difusa de iluminar espaços

Iluminação direta

É prática e funcional, usada para evidenciar um objeto ou algo específico, como locais de leitura e estudo. Logo, é apropriada para todos os ambientes, sendo que o que importa é como a utilizamos.

Sua função é iluminar, seja no banheiro, para cuidar de barba e maquiagem, seja na cozinha, para preparar os alimentos, seja no escritório, para fazer uma leitura. Também pode ser utilizada com função decorativa, ao ser projetada sobre um quadro, por exemplo.

Iluminação indireta

Aqui, não existe um foco de luz incidindo diretamente sobre um objeto. A característica desse tipo de luz é refletir na superfície e se ampliar pelo ambiente, iluminando-o por igual.

Deixa o ambiente aconchegante e acolhedor, causando um efeito agradável e bonito. Um exemplo de utilização são as sancas de gesso.

Iluminação difusa

Nesse caso, utiliza-se um difusor, que pode ser de vidro ou acrílico, com a função de suavizar a luz, ofuscando seu brilho e sua intensidade. Assim como a iluminação indireta, também proporciona uma sensação agradável e de conforto.

Que tipos de lâmpadas usar na iluminação?

Para executar o seu projeto, as cores das lâmpadas também devem ser observadas. Entenda sobre as duas principais tonalidades:

  • luz branca: indicada para cozinha, banheiro e escritório, pois ilumina melhor e é estimulante;
  • luz amarela: usada em salas e quartos, já que é mais relaxante e aconchegante.

O tipo de lâmpada é outro ponto importante, influenciando na beleza e na economia. Conheça as variedades e suas características:

  • incandescentes: luminosidade baixa, alto consumo de energia e vida útil muito baixa;
  • halógenas: brilho forte, alto consumo, alta eficiência luminosa, vida útil de 2000 horas;
  • fluorescentes: boa luminosidade, baixo consumo, vida útil de 3 mil a 20 mil horas. Funcionam com um reator;
  • LED: baixo consumo de energia, boa luminosidade, excelente vida útil (entre 15 mil e 40 mil horas).

De que modo iluminar cada parte da casa?

Agora que você já está por dentro do assunto, deve entender a importância de observar os pontos de luz. Tanto a falta quanto o excesso de iluminação podem prejudicar muito o ambiente, então, o ideal é fazer uma boa análise da função de cada cômodo. Veja o que avaliar em cada espaço.

Sala de estar

Esse é um ambiente acolhedor e agradável. Por se tratar do local onde recebemos os amigos e a família, é aconselhável a utilização de lâmpadas de tonalidade amarelada.

Por ser um cômodo que permite muitas combinações, tenha cuidado com os excessos e a intensidade das luzes. A regra, para não errar, é mesclar luz indireta e difusa, através de arandelas, abajures e luminárias.

Em salas com televisão, cuidado para que as luminárias não reflitam na tela; os abajures devem ser colocados nas laterais do sofá.

Sala de jantar

Aqui, o ideal é combinar luzes periféricas, clareando o espaço como um todo, e criar um foco de luz sobre a mesa de refeições. As luzes periféricas podem ser arandelas ou spots embutidos, enquanto o foco de luminosidade pode ser um pendente, lustre ou plafon.

Ao utilizar pendentes, é importante garantir que a distância entre o teto e a mesa de jantar seja entre 75 cm a 90 cm, para que a luminosidade fique no local correto.

Verifique as dimensões do lustre em relação ao tamanho do móvel: a largura deve ser de, no máximo, metade do comprimento da mesa. Assim, para uma mesa de 1,80 m, o lustre deve ser de 0,90 cm.

Cozinha

Para a iluminação desse espaço, siga estas dicas:

  • em locais utilizados para manuseio de alimentos ou organização de compras, uma boa opção são os spots;
  • quanto às lâmpadas, o ideal é que elas sejam brancas, com temperatura entre 4000 K a 6000 K, mas, atenção: se a cozinha for integrada à sala, o ideal é utilizar o mesmo tipo de lâmpada nas duas áreas, para que o espaço fique uniforme;
  • dê preferência a lâmpadas de LED, pois geram mais luminosidade e são mais duráveis e econômicas (em longo prazo, você verá a economia na conta de luz);
  • utilize fitas de LED embutidas nos armários e nas prateleiras. Além de conferirem um charme a mais na decoração, iluminam a bancada facilitando o manuseio dos alimentos;
  • para cozinhas maiores, com ilhas, é possível a utilização de pendentes, observando as mesmas dicas de altura e largura da sala de jantar.

Quarto

O quarto é um ambiente aconchegante, confortável e relaxante, pedindo uma iluminação agradável e funcional.

Siga estas recomendações para acertar:

  • use um dimmer, dispositivo utilizado para o controle da intensidade da luz. Esse recurso ajudará a deixar a luminosidade mais suave;
  • a luz amarela é a mais indicada para os quartos, pois ajuda a criar uma atmosfera de relaxamento e conforto;
  • utilize iluminação indireta, para o espaço ficar mais suave. Caso queira luz direta, estude bem a posição, para evitar o ofuscamento;
  • para fontes luminosas ao lado da cama, utilize pendentes ou abajures, preferindo cúpulas em cores claras ou neutras.

Banheiro

O banheiro é um ambiente que pede uma iluminação clara. Portanto, a melhor pedida são as lâmpadas brancas. O ideal é ter pontos de luz em cada canto: dentro do box, nos espelhos e também no centro do teto. Dê preferência para iluminação direta, pois ela ajuda na execução de tarefas.

Se preferir sancas de gesso ou luminárias invertidas, considere a manutenção. Essas opções acumulam sujeiras e vapor d’água, podendo proliferar bactérias e mofo se não forem bem higienizadas.

Seguindo todas essas dicas de iluminação para casa, garantimos que você terá um projeto econômico, bonito e funcional. E caso já tenha experiências para compartilhar, aproveite a visita e deixe um comentário neste post. Queremos saber a sua história!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário